Sociedade Brasileira de Medicina da Família e Comunidade
Atualização de Cadastro
Associe-se
Esqueceu sua senha, clique aqui!
Home / Diagnóstico e tratamento da faringite estreptocócica
Diagnóstico e tratamento da faringite estreptocócica

Na edição de 1º de março de 2009 da American Family Physician há uma revisão clínica intitulada Diagnóstico e Tratamento da Faringite Estreptocócica por Beth A Choby que assim começa: "Os sinais e sintomas comuns da faringite estreptocócica incluem garganta inflamada, temperatura acima de 100,4°F (38°C), exsudatos tonsilares, e adenopatia cervical. Tosse, coriza, e diarreia são mais comuns na faringite viral. Os exames laboratoriais disponíveis incluem cultura da garganta e teste de detecção rápida de antígeno. A cultura de garganta é considerada o diagnóstico padrão, embora a sensibilidade e especificidade da testagem de detecção rápida de antígeno tenham melhorado significativamente. A pontuação Centor modificada pode ser usada para auxiliar os médicos a decidir quais pacientes não precisam de testagem, precisam de cultura de garganta/testagem de detecção rápida de antígeno, ou terapia antibiótica empírica.

"Penicilina (10 dias de terapia oral ou uma injeção de penicilina benzatina intramuscular) é o tratamento de escolha devido ao custo, curto espectro de atividade, e eficácia. A amoxicilina é igualmente eficaz e mais palatável. A eritromicina e as cefalosporinas de primeira geração são opções para pacientes com alergia a penicilina. Foi relatado aumento no fracasso do tratamento com penicilina dos estreptococos beta-hemolíticos do grupo A (GABHS). Embora as diretrizes comuns recomendem cefalosporinas de primeira geração para pessoas com alergia a penicilina, alguns defendem o uso de cefalosporinas em todos os pacientes não-alérgicos devido a uma melhor erradicação do GABHS e eficácia contra o porte crônico do GABHS. A colonização crônica do GABHS é comum apesar do uso adequado de terapia antibiótica. Os portadores crônicos têm baixo risco de transmissão da doença ou de desenvolvimento de infecções por GABHS, e geralmente não há necessidade de se tratar os portadores. Não se sabe bem se tonsilectomia ou adenoidectomia diminuem a incidência de faringite por GABHS. No momento, os benefícios são muito pequenos para compensar os custos associados e riscos cirúrgicos."
 

Para a revisão completa, clique aqui.

American Family Physician 79(5):383-390 © 2009 American Academy of Family Physicians
Diagnosis and Treatment of Streptococcal Pharyngitis. Beth A Choby. Correspondências para: Beth Choby beth.choby@erlanger.org

Categoria: R. Respiratório. Palavras-chave: diagnóstico, tratamento, faringite estreptocócica, revisão clínica.
Sinopse editada por Dr Stephen Wilkinson, Melbourne, Austrália Publicado em Global Family Doctor 30 de abril de 2010

Filiados à:
Ibero Americana Wonca AMB
Newsletter
cadastre-se e receba informações sobre a Sociedade Brasileira de Medicina da Família e Comunidade
Todos os direitos reservados: Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade Desenvolvido por Link e Cérebro