Busca Junte-se a nós

Tereza de Benguela

Este conteúdo faz parte da série “Mulheres Negras brasileiras que precisam ser reconhecidas” produzida pelo Grupo de Trabalho de Saúde da População Negra da SBMFC com foco no Dia Internacional da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha. 

Tereza de Benguela é uma mulher negra, que marcou a história do Brasil no século XVIII. Estrategista militar e dirigente política, esteve à frente do Quilombo de Quariterê, localizado no território que hoje corresponde ao Vale do Guaporé, no estado do Mato Grosso. No Quilombo era conhecida como “Rainha Tereza”. Estabeleceu em seu quilombo uma forma de governar que funcionava à semelhança de um parlamento, com deputados, um conselheiro, reuniões e uma sede, como atestam documentos da época, especialmente os “Anais de Vila Bela” . O Quilombo de Quariterê existiu de 1730 a 1795, e a liderança de Benguela vigorou até 1770, quando foi presa e morta pelo Estado.

“Governava esse quilombo a modo de parlamento, tendo para o conselho uma casa destinada, para a qual, em dias assinalados de todas as semanas, entrava os deputados, sendo o de maior autoridade, tipo por conselheiro, José Piolho, escravo da herança do defunto Antônio Pacheco de Morais, Isso faziam, tanto que eram chamados pela rainha, que era a que presidia e que naquele negral Senado se assentava, e se executava à risca, sem apelação nem agravo.”  (Anal de Vila Bela do ano de 1770)

Apesar do nome, o local de nascimento de Tereza de Benguela é desconhecido. Ela pode ter nascido em algum país do continente africano ou no Brasil.
Tereza foi casada com José Piolho, que chefiava o Quilombo do Piolho até ser assassinado por soldados do Estado. O Quilombo do Piolho também era conhecido como Quilombo do Quariterê (a atual fronteira entre Mato Grosso e Bolívia) e foi o maior quilombo do Mato Grosso.
O reinado de Tereza aponta para duas hipóteses: uma diz que ela teria assumido a liderança do quilombo depois da morte de seu companheiro, José Piolho; outra que, desde sua formação, em 1730, Quariterê esteve sob sua direção.
O Quilombo do Quariterê abrigava mais de 100 pessoas, com destacada presença de negros e indígenas. Tereza navegava com barcos imponentes pelos rios do pantanal. E todos a chamavam de “Rainha Tereza”.
Quariterê, como ambiente de difícil acesso, foi o ambiente perfeito para Tereza coordenar um forte aparato de defesa e articular um parlamento para decidir em grupo as ações da comunidade, que vivia do cultivo de algodão, milho, feijão, mandioca, banana, e da venda dos excedentes produzidos.
Os deputados do Senado de Benguela se reuniam uma vez por semana, em uma casa destinada exclusivamente para os encontros, quando discutiam, além de questões de administração, melhores táticas para manter Quariterê de pé. As armas utilizadas na defesa do quilombo eram  adquiridas como espólio de combates ou via trocas. Ali, plantava-se algodão, do qual era produzido tecido, superando o cultivo apenas para a subsistência dos moradores.
São ambíguos os poucos registros sobre a morte de Tereza. Um documento da época afirma: “em poucos dias expirou de pasmo. Morta ela, se lhe cortou a cabeça e se pôs no meio da praça daquele quilombo, em um alto poste, onde ficou para memória e exemplo dos que a vissem”. Uma versão é que ela se suicidou depois de ser capturada por bandeirantes a mando da capitania do Mato Grosso, por volta de 1770, e outra afirma que Tereza foi assassinada e teve a cabeça exposta no centro do Quilombo.
Após ser capturada em 1770,  Alguns quilombolas conseguiram fugir ao ataque e o reconstruíram – mesmo assim, em 1777 foi novamente atacado pelo exército, sendo finalmente extinto em 1795.
O Quilombo resistiu até 1770, quando foi destruído pelas forças de Luís Pinto de Sousa Coutinho. A população na época era de 79 negros e 30 índigenas.
Desde aquela época até os dias atuais, as mulheres negras brasileiras não deixaram de lutar por Liberdade, Respeito e Justiça. Seja nas terras remanescentes de Quilombos, assim como em todo território nacional, essa saga continua sendo levada a cabo por mulheres negras.

O dia internacional da mulher negra latino americana e caribenha, um dia de luta e resistência celebrado no dia 25/07, passou a ser reconhecido nacionalmente como Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra em 2014. (Lei 12.987 de 2 de junho de 2014).
Que cada uma de nós, mulheres negras, possamos nos inspirar nessas que nos antecederam, para que sigamos desconstruindo os lugares sociais que a sociedade nos impõe, para que sigamos escrevendo e reescrevendo a história desse país sob nossas perspectivas, vivências e experiências e para que possamos nos acolher em nossas dores e sofrimentos para nos fortalecer na luta por uma sociedade anti-racista.
Nesse dia 25/07/2020 o GT de Saúde da População Negra da SBMFC deseja que cada uma das mulheres negras que nos lêem possam ter espaço e energia para o autocuidado, para olhar com afeto pra si e para tudo que construímos até aqui. Desejamos ainda que todos os demais leitores façam uma reflexão sobre como agir para tornar seus contextos menos violentos para as mulheres negras que os circundam.

 

https://www.ufrb.edu.br/bibliotecacecult/noticias/220-tereza-de-benguela-a-escrava-que-virou-rainha-e-liderou-um-quilombo-de-negros-e-indios

https://www.geledes.org.br/tereza-de-benguela-uma-heroina-negra/

https://www.geledes.org.br/teresa-do-quaritere-teresa-de-benguela/

http://www.esquerdadiario.com.br/25-de-julho-Dia-Nacional-de-Tereza-de-Benguela-a-lider-do-Quilombo-de-Quaritere